Como lidar com o aumento de pressão quando se está fazendo uma filmagem submarina?

Nesse artigo, vamos te falar as melhores dicas de como proteger você mesmo e seu equipamento em fotografias e filmagens submersas, e qual o melhor tipo de equipamento que lhe garante melhores fotos e resultados. Clique para prosseguir.Salvo se a sua câmera estiver contida dentro de uma nave com pressão controlada, o aumento de pressão com a profundidade do mergulho deve um fator a ser considerado. A câmera entra na água com a pressão equilibrada em uma atmosfera, mas a sua pressão aumenta rapidamente. A cada dez metros de profundidade agrega uma pressão de 1 kg/cm2.

O aumento da pressão dependendo do seu equipamento que o fotógrafo tenha em suas mãos, ele pode estar limitado a fotografar as profundidades menores que sua capacidade de mergulho têm a oferecer.

Para fotografias submersas, são fabricados cases universais de plástico flexível, que tornam a câmera à prova d’água quanto a contato com o circuito, e então permitem levar a câmera a cerca de 10m de profundidade, e assim como a câmera digital esportiva D10 da Canon ou a câmera descartável Ultra Aquatic da Kodak.

Eis um modelo de câmera especializada para fotografia submarina da marca de câmeras Nikon, essa pertence a linha Nikonos.

As caixas com estanques em plástico rígido lhe permitem levar a câmera a profundidades que variam entre 10 e 40m.

As maiores profundidades podem ser atingidas com equipamentos especialmente destinados à fotografia submarina. Os Fotógrafos profissionais costumam recorrer a caixas estanques que são feitas por fabricas especializadas, ou a caixas adaptadas especialmente para suas câmeras de acordo com os respectivos modelos.

Fotocélulas e radio flashes também podem ser usados em fotografia submarina, desde que encapsuladas em caixas estanques com resistência compatível com a profundidade de mergulho.

Backscattering

Um outro complicador é o fenômeno do backscattering que aparece quando a luz do flash é refletida de volta e difundida pelo pó em suspensão e pelos plânctons ao redor da lente no cenário que a câmera mira. Apesar de aparentemente límpida, a água contém uma enorme quantidade destas partículas, embora de não serem visíveis a olho nu.

A melhor das técnicas para evitar o backscattering é de utilizar flashes cativos externos à câmera disparados em sincronia com a câmera.

Jonathan Silva

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


8 − = cinco